Que tal aproveitar que o final do ano se aproxima para deixarmos a despensa prontinha para receber as compras da ceia de Natal? Quer uma ajudinha? Vamos lá. Sou muito suspeita para falar sobre o tema de hoje, pois um dos grandes prazeres da minha vida é deixar uma despensa organizada e bonita. Não julguem. Nem todo mundo nasce normal.

Eu não tenho a menor pretensão de exaurir este assunto em apenas um post, mas algumas dicas básicas sempre ajudam. Vamos começar por elas e continuaremos em um próximo post. Não importa se sua despensa é grande ou pequena, se ela fica em estante ou gaveta, alguns pontos são idênticos para todas elas e é sobre eles que falaremos hoje. Mesmo os menores espaços para estoque podem e devem estar limpos, livres de insetos indesejáveis, saudáveis e organizados. O mercado de produtos organizadores a cada dia facilita mais a vida de quem vive em ambientes reduzidos, então essa também não é uma boa desculpa para adiar a organização. Vou anexar algumas fotos que mostram a otimização de espaços.

Estoque de mantimentos
Estoque de mantimentos – Despensa

Independentemente dos tipos e dimensões de cada despensa, é indiscutível que a desorganização dela implica diretamente em desperdícios e gastos desnecessários. Quando não temos completo conhecimento do que possuímos em estoque – principalmente quando lidamos com mantimentos perecíveis – a tendência é corrermos o risco de consumirmos alimentos que não são mais adequados à alimentação ou termos algum tipo de infestação de pragas, que destroem produtos ainda dentro do prazo de validade. Para que nada disso aconteça, a despensa deve ser estruturada de forma a proteger os alimentos de qualquer tipo de contaminação e a manter sua visibilidade e controle.

Para início de conversa, vamos falar sobre prazos de validade. Garanto a vocês que esta não foi uma ideia que algum cientista um dia teve no banho. Lá estava ele esfregando as axilas, quando, de repente: “Ah, que tal seria estipular uma data para os produtos serem descartados?”. Acreditem, não funciona assim. Existem estudos sérios a respeito do tempo que um produto funciona ou faz bem à saúde e a partir de quando ele deixa de oferecer o benefício que se espera dele ou passa a ser realmente prejudicial ao consumo humano.

Espero que, neste ponto, já estejamos em consenso quanto à importância de se acreditar no prazo de validade. Assim sendo, a próxima ação é verificar cada um dos produtos estocados e descartar qualquer um que esteja vencido. Ah, sim. A ausência de uma indicação de validade não quer dizer que eles durem a vida toda, mesmo aqueles produtos artesanais sem indicação de validade ou aqueles que encontram-se fora da embalagem original.

Por falar em embalagem, vamos à segunda prática importantíssima para a manutenção de uma despensa. Qualquer alimento que teve sua embalagem original aberta deve ser armazenado em um invólucro limpo e muito bem fechado. Sugiro fortemente potes de vidro, mas de plástico em bom estado e de acrílico também funcionam muito bem. A principal preocupação aqui é repassar a informação sobre o conteúdo e a validade para a nova embalagem. Nas vasilhas de vidro, basta escrever na própria vasilha com canetas para quadro branco ou para CDs. A primeira sai com qualquer tipo de limpeza e a segunda com álcool. Acho mais garantido usar a segunda. Nas vasilhas plásticas ou acrílicas, etiquetas resolvem o problema. O mercado é farto de opções para este fim, desde as descartáveis até as reutilizáveis, portanto escolha a etiqueta que você julgar mais prática ou a que melhor combinar com a decoração da sua cozinha.

Resolvidas as questões de armazenamento e identificação, podemos passar para a próxima etapa da preparação. Uma boa limpeza no espaço que irá se tornar o seu estoque evita que restos de alimentos ou um minúsculo casulo de inseto comprometa a sua nova e remodelada despensa. A limpeza deve ser feita com pano umedecido em uma mistura de água e poucas gotas de detergente, nada que possa deixar odores fortes. Ao final dessa limpeza, passe um pano limpo umedecido com vinagre branco por toda a área de armazenagem, isso previne a ação daqueles pequenos predadores dos seus alimentos.

Embora esta seja uma informação vastamente conhecida, não custa lembrar que nunca devemos armazenar produtos de limpeza em qualquer local próximo de alimentos. Feita esta importante separação, devemos categorizar os produtos que iremos armazenar de forma a facilitar a busca no futuro. Esta categorização vai variar um pouco em função dos hábitos de uso de cada família. Por exemplo, na despensa de uma família que seja apaixonada por massas e consome regularmente o famoso “espaguete da mama” talvez seja mais prático manter os pacotes de macarrão próximos dos molhos de tomate e do queijo parmesão ralado; enquanto na minha casa, onde o consumo de massas é bem raro, as massas ficam separadas dos molhos e do queijo ralado. Tenho certeza de que você vai descobrir o que faz mais sentido na sua despensa.

Como eu disse anteriormente, esse é um tópico quase inesgotável. Essa semana, eu terei que deixá-los apenas com essas orientações iniciais, mas certamente voltaremos a esse tópico mais adiante, com dicas para a organização propriamente dita da sua despensa.

Não deixem de conferir as novidades semanais!

Mulher, agitada, "quase" perfeccionista, dona de um estilo eclético e interesse nas mais diversas áreas. Depois que eu me espalho, só a organização me junta!

1 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *