Desapegue

Hoje falaremos sobre a etapa mais temida pelos clientes quando contratam um projeto de organização: a triagem. Na verdade, não é a etapa inteira que assusta, é o descarte. Nós, Profissionais de Organização, dizemos descarte e alguns clientes pensam: “Ai, meu Deus! Ela quer jogar minhas coisas fora!”. Acalmem-se, não é esse nosso objetivo.

Brincadeiras à parte, eu vou explicar em que consiste exatamente o processo de triagem. Em um ambiente não organizado é muito comum encontrarmos objetos de uma mesma categoria em diversos locais diferentes. Darei um exemplo bem simples: você tem pilhas novas e usadas na gaveta da cozinha, porque é onde ficam as coisas miúdas que você não sabe bem onde colocar. Como existem controles remotos na sala, é possível que também sejam encontradas as mesmas pilhas novas e usadas na gaveta dos CDs, assim como na mesa do escritório por causa da calculadora, mouse, teclado e outros equipamentos eletrônicos que utilizam pilhas.

Pois bem, na etapa da triagem, todos os objetos serão categorizados, o que fará com que todas as pilhas existentes na casa sejam recolhidas e acabem todas juntas. Nesse momento, será fácil perceber que, primeiramente, você não precisa incluir pilhas na sua próxima lista de compras, como imaginava antes. Outra coisa que provavelmente perceba é que, das pilhas usadas, um quarto delas já começou a vazar seu conteúdo e metade não tem carga suficiente para ser reutilizada. Conclusão? Parte delas será descartada e o que sobrar será algo que realmente atende suas necessidades e será verdadeiramente útil para sua vida.

O mesmo acontece com todas as classes de objetos, sejam roupas, sapatos, documentos, utensílios de cozinha ou louças. O descarte nada mais é do que o fim natural de algo que não tem mais utilidade na sua vida, mas que ainda ocupava um espaço precioso, esquecido no meio da desorganização.

A triagem o coloca em contato com seus pertences novamente. Ao invés de eles estarem espalhados, armazenados em diferentes locais, eles estarão bem na sua frente, o que talvez permita que você perceba, com grande surpresa, que possui trinta calças compridas pretas, sete das quais praticamente idênticas, e cinco delas em um estado tão castigado que você nem se recorda a última vez que as utilizou.

Quando se retira de um ambiente o que não faz mais sentido estar ali, a sensação que fica é de que tudo o que você possui é útil e está apto para ser usado no momento que você quiser. Não há a necessidade de, ao abrir um armário para escolher um prato, se lembrar de verificar se não está pegando aquele que está lascado, pois o prato lascado não estará mais lá.

Então, vamos renovar a reputação do descarte? Da próxima vez que uma Personal Organizer falar em descarte, não imagine que ela quer se livrar dos seus pertences. Ela apenas quer livrar você da carga desnecessária que foi se acumulando no decorrer dos anos e valorizar o que você tem de melhor e mais prático, para que sua vida seja mais leve e funcional. Ela quer ajudar você a retirar de um ambiente tudo o que ofusca sua utilidade e praticidade e devolvê-lo a você, pronto para uso, leve e organizado.

Pela minha experiência pessoal e profissional, de todas as etapas de uma organização, a triagem (e consequentemente o descarte) é a mais catártica. Ela permite que você deixe para trás quem já foi, para se focar apenas no que é e no que quer ser.

Desapegar-se do que já fomos dói um pouquinho no início? Talvez, mas é como retirar um esparadrapo. Tanto para um quanto para o outro, meu conselho é: respire fundo e puxe!

Mulher, agitada, "quase" perfeccionista, dona de um estilo eclético e interesse nas mais diversas áreas. Depois que eu me espalho, só a organização me junta!

0 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *