Até o mais saudável dos seres humanos terá em casa algum remédio perdido. Nem que seja um analgésico e um band-aid. Isso é um fato inegável.

Como nem todos podem se enquadrar nessa classificação, a grande maioria acaba acumulando uma quantidade de medicamentos bem maior do que essa. Os cuidados com o armazenamento e a organização deles podem ser determinantes para que eles não se deteriorem antes do tempo ou se misturem com outros produtos, o que dificulta sua localização em um momento de necessidade.

Para ajudar você a manter uma bem cuidada farmacinha em casa, aqui seguem algumas dicas muito úteis.

Dica 1: Tenha um espaço reservado para os remédios

Analgésicos soltos na gaveta da cozinha ou em um cesto na sala? Clássico erro de armazenamento.

Sem um local adequado e protegido, os remédios podem ter sua embalagem rompida, ficar expostos a condições de temperatura inadequadas e até ficar ao acesso de crianças ou animais.

Dica 2: Atenção às condições de armazenamento

Embora grande parte das pessoas guarde medicamentos no banheiro, este é um lugar totalmente inadequado para a conservação de medicamentos. A variação de temperatura e a umidade típica do cômodo reduzem drasticamente a vida útil deles e podem comprometer a sua eficácia.

Locais bem arejados e com pouca variação de temperatura, como um quarto, vão assegurar a vida útil, conforme a validade informada pelo fabricante.

Dica 3: Verifique regularmente a data de validade

Já que tocamos no assunto da data de validade, lembre-se de fazer uma verificação geral nos medicamentos, pelo menos a cada dois meses. É impressionante como o remédio que você se recorda de ter comprado há pouquíssimo tempo de repente já está vencido há quase um ano.

É, o tempo voa. Não se arrisque.

Dica 4: Utilize uma caixa plástica ou gaveteiro

Manter os remédios estocados em um compartimento plástico fechado, além de aumentar a proteção contra umidade e variações de temperatura, ainda os resguarda de mãozinhas ou patinhas curiosas.

Se for um gaveteiro, isso vai facilitar a execução da próxima dica.

Dica 5: Armazene em categorias

Nada melhor para facilitar a busca do que encontrar os remédios previamente categorizados por uso. As categorias mais usadas são: dor, olhos, resfriado, ferimentos, pomadas e por aí vai.

Dica 6: Remova embalagens grandes desnecessárias

Quando não é necessária nenhuma informação constante na embalagem, o descarte da mesma permite compactar o volume total da sua farmácia.

Luvas descartáveis e algodão, por exemplo, podem ser facilmente acomodados em envelopes plásticos transparentes​ com ziploc.

Dica 7: Armazene comprimidos em potinhos

Cartelas de comprimidos vendidas avulsas costumam se perder pelo fundo da caixa de medicamentos. Isso não apenas danifica a embalagem como garante uma sessão de “busca e apreensão” justo no momento em que não estamos nos sentindo bem.

Para evitar esse problema, recolha todas as cartelas soltas e armazene em um potinho ou caixa menor. Se forem muitas, defina um critério e categorize (dor, alergia, etc.)

Dica 8: Etiquete tudo

Não adianta categorizar e não deixar bem claro para qualquer pessoa que acesse sua farmácia qual foi o critério utilizado. A boa e velha etiqueta previne erros e ajuda nos momentos de emergência.

Dica 9: crie um kit rápido

Seja para uma viagem repentina ou para um familiar com alguma condição especial, é muito útil ter uma pequena bolsa montada com os principais medicamentos a serem utilizados em alguma emergência ou para atender às necessidades da condição.

Os remédios usados em uma crise de bronquite de um filho, reunidos em um só lugar, podem fazer toda a diferença em um atendimento mais rápido. Da mesma forma, um kit previamente montado pode ajudar um idoso cardíaco ou um diabético.

 

Dica 10: Tenha uma lista da sua medicação regular

Mantenha, na sua carteira e dentro da caixa de medicamentos, uma listagem com os remédios utilizados diariamente. Em uma emergência, caso você esteja desacordado ou confuso, qualquer pessoa pode ter acesso a esta lista e garantir mais informação e menos tempo perdido no atendimento emergencial.

Lembre-se que para essa medida ser útil, todos os familiares e residentes da casa devem estar cientes dela.

 

Se você não puder evitar as emergências médicas, com essas dicas ao menos, eu tenho certeza que elas serão mais tranquilas e organizadas.

 

SalvarSalvar

Mulher, agitada, "quase" perfeccionista, dona de um estilo eclético e interesse nas mais diversas áreas. Depois que eu me espalho, só a organização me junta!

0 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *